top of page

Autismo

Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um transtorno neurológico caracterizado por comprometimento da interação social, comunicação verbal e não-verbal e comportamento restrito e repetitivo pois afeta o sistema nervoso e o tratamento pode ajudar, mas essa doença não tem cura e precisa de um diagnóstico médico e raramente requer exames laboratoriais ou de imagem. A taxa de autismo é estimada em cerca de 1 à 2 a cada 1.000 pessoas em todo o mundo, ocorrendo 4 à 5 vezes mais em meninos do que meninas.


Os principais sintomas para ficar atentos são:


  • Não manter contato visual, ou pelo menos não olhar nos olhos por mais de 2 segundos.

  • Não atender pelo nome quando são chamados.

  • Não se interessar por outras crianças ou isolar-se

  • Depressão ou ignorar as emoções dos outros.

  • Na ausência na busca de consolo em momentos de aflição.

  • Falta de atenção ou intenso interesse em um número limitado de coisas

  • Ausência de relação social.

  • Não falar ou não fazer gestos para se expressar.

  • Na ausência de atividade imaginativa, como brincar de ser adulto.

  • Marcada anomalia (imitação constante) na emissão da linguagem com afetação.

  • Intensa aflição em aspectos insignificantes do ambiente.

  • Andar constantemente na ponta dos pés, ansiedade, falta de empatia, sensibilidade ao som ou tique.

  • Ser muito preso a rotinas, querem sempre fazer as mesmas coisas, nos mesmos horários.

  • Não brincar com brinquedos de forma convencional.

  • Fazer movimentos repetitivos sem função.

  • É imitando que se aprende. E, não ter essa habilidade, pode dificultar o aprendizado de muitas crianças com autismo.

Existe tratamento ?


Sim existe, mas vale relembrar que não tem uma cura, ninguém deixa de ser autista, mas o tratamento é fundamental para a criança com autismo para o seu desenvolvimento.


O apoio familiar é de grande utilidade. Os pais devem saber que a alteração autista não é um transtorno relacional afetivo de criança. Considerar também o tratamento farmacológico, que deverá ser indicado por um médico especialista.


Meu filho tem autismo, o que devo fazer ?


Primeiramente consultar o pediatra do seu filho para que ele indique um psiquiatra de crianças e adolescentes, para poder de fato diagnosticar.


Agora nos como Pais devemos animar nossos filhos para que desenvolva suas habilidades, para que se sintam seguros consigo mesmo, o psiquiatra além de tratar seu filho vai ajudar a família resolver o stress; ajudar nos pais a resolver os problemas emocionais que surgem com o resultado de conviver com uma criança autista, e orientá-los de maneira que possam criar um ambiente favorável para o desenvolvimento e o ensino da criança.


Professora